Falta de materiais para embalagens: como evitar problemas

Dentre as variáveis que afetam a saúde de um negócio, algumas passam despercebidas ou acabam em segundo plano. Materiais para embalagens são uma dessas variáveis.

Seja qual for o tipo de mercadoria, em ao menos uma parte do seu processo de comercialização, são utilizadas embalagens, como as caixas de papelão, por exemplo.

No caso, a intensidade do impacto das embalagens nos negócios foi sentida da pior forma.

Falta de materiais

Reflexo da pandemia, adicionado à alta do dólar e na exportação, no ano passado, tivemos uma escassez no mercado. Em 2021, a falta diminui, porém o que tem disponível no mercado está a altos preços e com prazos de entrega muito maior.

Para termos ideia, segundo o Instituto Brasileiro de Economia, a quantidade de empresas que tiveram dificuldades com o desabastecimento de matéria prima aumentou gradativamente:

falta embalagens

 

A falta de materiais como fator limitador da produção foi a maior em 20 anos.

A ascensão do delivery e e-commerce aumentou a demanda das embalagens e os materiais essenciais como papelão e plástico foram muito afetados.

O papelão atingiu a maior alta em preço e prazo – o ondulado aumentou cerca de 24%.

Saídas para o desabastecimento de embalagens

O cenário fez as empresas buscarem alternativas para que a produção não seja suspensa por falta de materiais. Além de terem que trabalhar com prazos de entregas maiores, que está presente em praticamente toda a cadeira de distribuição.

Por exemplo, na Bahia, a produção de plástico parou por falta de resina e a associação do setor buscou amenizar o problema com uma cadeia colaborativa. Foi criado o Banco de Resina, que faz o compartilhamento de materiais entre empresas. O que sobra para uma, vai para a outra que está lidando com a falta.

Outras empresas, para não prejudicarem a sua produção e entregas, usaram embalagens emprestadas contendo até mesmo marcas concorrentes nelas. Uma solução que exigiu uma comunicação especial aos clientes, para não haver danos à imagem.

No entanto, as soluções mais eficazes para que a indústria não sofra com períodos de desabastecimento e alta no custo, são essas:

  • Comprar com antecedência e criar um estoque que aguente, ao menos, dois a três meses de desabastecimento;
  • Investimento em estudos para desenvolvimento de embalagens inovadoras, sustentáveis, resistentes e com bom custo benefício;
  • Apoiar e executar ações que fortalecem o setor de reciclagem, por meio das cooperativas de catadores.

Mesmo que essas saídas exijam um bom investimento. O que está acontecendo hoje é indicativo que essas iniciativas serão obrigatórias para a sobrevivência no mercado.

Graças à tecnologia e profissionais empenhados em criar novas opções de embalagens, as alternativas estão cada vez mais perto.

Dois exemplos muito bacanas que provam essa tendencia são o das embalagens feitas de grama e as produzidas com pipoca.

Materiais de segunda

Quem não se preparou para a situação que temos atualmente e não tem disponibilidade para investir nas alternativas citadas, precisa se virar com o que encontra no mercado – que não estão com qualidade reduzida.

Mas, como se virar com os materiais que tenham menor qualidade que o de costume e não ter problemas nas entregas?

Reforce os cuidados na hora de embalar. Mesmo que o papelão que está sendo mais facilmente encontrado não tenha uma alta qualidade, ainda são a melhor opção. O formato em que são fabricados e o próprio material são bem resistentes a avarias.

Ao embalar, atente-se a estes passos:

  • Embale o produto antes de colocá-lo na caixa. Use plástico bolha ou isopor para os frágeis e os não-frágeis podem ser envoltos com papel kraft.
  • Utilize fitas adesivas largas e de boa qualidade ou fitas gomadas com reforço, para não descolar.
  • Coloque os produtos dentro da caixa de transporte numa disposição que aproveite bem o espaço e distribua o peso de forma igualitária.
  • Os espaços vazios devem ser preenchidos com materiais (isopor, plástico bolha, aparas de papel etc.) para que os produtos não fiquem “dançando” dentro da caixa.

 

Quando a empresa conta com um bom parceiro logístico, a ocorrência de problemas diminui. No momento recebimento das mercadorias pela transportadora, as embalagens são avaliadas, ajustadas se for o caso, etiquetadas e, então, estarão prontas para o transporte.

Esperamos que todos consigam driblar esse desafio nas matérias-primas para embalagens sem grandes prejuízos.

Conte conosco para ajudar. Fale com um consultor pelo chat.

 

 

Continue lendo:

O que você precisa saber sobre embalagens para transporte

 



Deixe uma resposta