As datas em homenagem aos caminhoneiros: por que existe mais que uma?

Todas as profissões possuem uma data oficial no calendário em homenagem à sua atividade. Os caminhoneiros, porém, não têm uma data própria. Na verdade, há até uma confusão sobre o Dia do Caminhoneiro, visto que há mais de uma data que faz referência a esse profissional.

Festividades realizadas em julho, setembro ou outubro? Todos esses meses têm suas homenagens aos caminhoneiros. Vamos conhecê-las?

30 de junho – Dia do Caminhoneiro

Embora a data tenha sido disseminada e é comemorada em vários estados, ela faz parte do calendário oficial de São Paulo.

A Lei Estadual 5.487, de 1986, instituiu o Dia do Caminhoneiro no estado, um dos que mais recebem caminhoneiros diariamente, vindos de toda a parte do país.

Então, a data tem o objetivo de ser um agradecimento dos paulistas a todos os caminhoneiros que passam por São Paulo em algum momento de suas rotas.

25 de julho – Dia de São Cristóvão e Dia do Motorista

Essa é a data mais conhecida e comemorada. No entanto, ela não diz respeito diretamente aos caminhoneiros, mas sim ao santo padroeiro dos motoristas, São Cristóvão.

Aliás, ele é o santo protetor de todos os motoristas, seja de caminhão, de carro, de avião, de navio etc. Por isso, em 1968, foi oficializado, no país, o dia 25 de julho como o Dia do Motorista.

Acabou que as homenagens duram o mês todo e julho é considerado o mês do caminhoneiro. É quando acontecem feiras e eventos voltadas a esses profissionais.

Por que São Cristóvão é padroeiro dos motoristas?

Para entendermos, precisamos conhecer a história desse santo.

De acordo com relatos históricos, lá pelo séc. III d.C., existia um homem, grande e forte como um gigante, chamado Reprobus. Ganancioso, andava buscando o rei mais poderoso para servir e, assim, ter prestígio e dinheiro.

Dizem que ele serviu ao diabo. Mas, quando viu que o seu senhor se assustou ao ver uma cruz católica, o abandonou. Ele queria servir aquele que conseguiu fazer o diabo temer. Mas, em sua nova busca, soube que só encontraria Jesus por meio de boas ações.

Então, aceitou a missão de ajudar pessoas a atravessarem um rio com fortes correntezas. Como tinha uma estrutura corporal grande, colocava-as nos ombros e cruzavam de uma margem à outra em segurança.

Determinado dia, ele foi atravessar um garoto. Quanto mais avançava, mais pesado ficava. Daquela vez, tinha sido difícil carregar. Foi como se ele tivesse carregando o mundo em suas costas. Ao chegar ao outro lado da margem, o menino disse que ele era o criador do mundo.

A partir disso, Reprobus passou a peregrinar espalhando a palavra de Deus. Até que um rei tirano ordenou a sua execução.

Por essa história, no século XV, ele foi canonizado e passou a ser chamado de Cristóvão, que significa” aquele que carrega Cristo”.

Devido à segurança que ele oferecia para a travessia, tornou-se o santo padroeiro dos viajantes e transportadores (motoristas) conhecido mundialmente. É celebrado, inclusive, por diferentes religiões como o catolicismo romano, o ortodoxíssimo e a umbanda.

Há relatos que contam que ele foi padroeiro também por um pedido da Rainha Margarida de Sabóia – devota do santo e que creditou a ele a sua sobrevivência a um acidente grave de carro, na Itália, no início do século XX.

O que é verdade ou invenção, não sabemos. Isso é história!

Porém, sabemos que os caminhoneiros realmente são como São Cristóvão: corajosos e transportam com segurança.

15 de setembro – Dia Nacional do Caminhoneiro

Essa data foi a última instituída que faz referência aos caminhoneiros. Apenas em 2009, o governo federal oficializou uma data como o Dia do Caminhoneiro, por meio da Lei 11.927.

17 de setembro – Dia Nacional do Transportador Rodoviário de Cargas

Há quem diga que o dia 15 de setembro foi escolhido como o Dia do Caminheiro porque, dois dias depois, no dia 17, é comemorado o Dia Nacional do Transportador de Cargas.

Essa homenagem foi oficializada em 1993 pelo governo federal e é a única que tem bem explícito no texto do decreto “homenagem à laboriosa categoria profissional”.

Acha que acabou? Nada! Ainda há outra data que muitos caminhoneiros aproveitam para celebrar suas profissões e pedir proteção.

12 de outubro – Dia de Nossa Senhora de Aparecida

A santa padroeira do Brasil também é protetora das grávidas, dos recém-nascidos e, claro, dos caminhoneiros, que cruzam o país colocando suas vidas em risco.

Procissões e carreatas da categoria acontecem em direção ao Santuário Nacional de Aparecida. Lá, agradecem, pagam promessas e pedem proteção.

Para que tanta data em homenagem aos caminhoneiros?

Chega a ser confuso todas essas datas, não é mesmo?

Talvez, o motivo de não haver apenas uma data oficial, seja reflexo da pouca valorização que quem vive nas estradas recebe da sociedade. Antigamente, a vida dos caminhoneiros virou até seriado de TV, romantizando a profissão e tentando retratar os desafios que esses profissionais enfrentam constantemente.

É fácil esquecer que por trás de todo prazo de entrega de cada compra online que o consumidor faz há pessoas. São elas que rodam muitos quilômetros para que tudo funcione no país.

Em meio à pandemia, foi uma das categorias que não pararam. Precisaram continuar e intensificar o trabalho para manter a distribuição dos itens essenciais por todo o país.

Dias no volante, olhos atentos a tudo que acontece na estrada, cansaço físico e mental. Muitas vezes, repousam em locais precários ou, até mesmo, dentro do veículo. Não contam com estrutura rodoviária para trabalharem com qualidade.

As dificuldades não dão trégua!

Todas essas datas, no fim das contas, são importantes para sempre relembrarem a todos da importância desses profissionais. E mais ainda, servirem como oportunidades para reinvindicações de direitos e melhores condições de trabalho.